Rio Olo

foto: amarantetourism.com

O rio Olo é um rio do norte de Portugal, que nasce no Parque Natural do Alvão, num local conhecido por “Fisgas” e desagua no rio Tâmega.

A nascente do rio Olo é próxima do lugar de Meroicinhas, freguesia de Lamas de Olo, concelho de Vila Real. A extensão do Rio Olo é de cerca de 36km até à sua confluência com o rio Tâmega, a jusante da Ponte do Borralheiro.

Durante este percurso banha território das freguesia de Rebordelo, e Fridão na margem direita e território das freguesias de Canade/Olo e Vila Chã do Marão na margem esquerda, todas pertencentes ao concelho de Amarante.

Aproveitamento das Águas do Olo

No percurso dentro do concelho de Amarante, o Rio Olo foi desde tempos imemoriais aproveitado para mover inúmeros moinhos de rodízio (ex. moinho do Souto e moinho do Salgueiro, moinho da Laranjeira, Moinhos do Rato, Moinho das Regadas, Moinhos da Ponte(ou do Gomes)). A água armazenada em açudes (paredes transversais) e conduzida para o “inferno” do moinho onde fazia girar as “penas” do rodízio e movimentar a mó movente que triturava o cereal!

Existe ainda no percurso final do Rio Olo uma Central Hidroelétrica construída durante a 1ª República, por iniciativa do presidente da Comissão Municipal Republicana, Dr. António do Lago Cerqueira, e que a partir de 1917 passou a assegurar a iluminação elétrica da Vila de Amarante.

Pesca

O Rio Olo é um rio de pesca abundante e ali pontificam espécies como a truta, a boga, o escalo e o barbo.

Feira das Papas

Realizou-se a IX edição da Feira das Papas de Ôlo no dia 14 e 15 de Fevereiro, a par da degustação do menu tradicional, que incluiu papas de sarrabulho, de nabiças e couve, ouve também, expositores com produtos locais nomeadamente enchidos, fumeiros, mel, compotas e artesanato.

Realizou-se também a VIII Marcha das Papas-Percurso Pedestre “Pé Posto”, peça de teatro pelo Grupo de Teatro de Várzea e animação musical destacando-se as atuações dos grupos Samzafos, Grupo de Coros Candemil (Enred’Arte), Sons do Tâmega e Eco – Gaiteiros de Baião.

E ainda uma caminhada “Free Trail Papa D’Ôlo”.

A Feira das Papas de Olo é uma iniciativa que se realiza no fim-de-semana que antecede o Carnaval. Neste fim-de-semana, deslocam-se a Olo muitos forasteiros para degustarem as papas.

Para além das papas que variam em três sabores, couve, nabos e sarrabulho, a feira oferece vários petiscos confecionados com produtos da terra. Aproveita-se a oportunidade para se exporem vários produtos locais para venda, relacionados não só com a terra, mas também com artesanato que por cá se produz.

Esta feira das papas remete para as tradições locais, devido ao seu índice rural, e para os trabalhos do campo e da floresta que exigiam uma mão-de-obra bem alimentada e possante.

Igreja de São Paio de Ôlo

A igreja Paroquial de São Paio de Ôlo, embora não haja registos da sua construção inicial, começou a sua nova historia no dia 1 de janeiro de 1936.

Igreja Matriz de Canadelo

Igreja Matriz de Canadelo construída sob a invocação de São Pedro Apostolo, a sua edificação remonta a cerca de 1680 quando é constituída a paróquia na forma de curato a partir da paróquia de Aboadela sob patronado do Abade Beneditino do Mosteiro do Pombeiro. Tem no período das inquerições das memórias paroquiais três altares o altar-mor dedicado a São Pedro e dois laterais dedicados a Nossa Senhora Rosário ou dos Ramos (por ser tradição as noivas colocarem nesta imagem um ramo que levavam ao peito como testemunho da sua pureza) neste altar havia instituída uma Irmandade sob a invocação da mesma imagem, e o altar de Santo António, mais tarde no é ainda acrescentado o altar do Sagrado Coração de Jesus. No período pós Concilio Vaticano II a mercê de uma má compreensão dos textos conciliares e de uma iconoclastia em voga na época procedeu-se infelizmente a remoção dos mesmos altares. A Igreja é constituída por uma única nave e capela-mor. E coroada ao contrario do normal por uma imagem de São Pedro no lugar da costumeira cruz.

Festa da Castanha de Canadelo

A Festa da Castanha é um evento que se realiza todos os anos a meados de outubro. Neste dia Canadelo recebe muitos visitantes, que para além de quererem comer boas castanhas acompanhadas com o vinho novo da época, visitam familiares e amigos.

Com a Feira da Castanha pretende-se mostrar e valorizar os recursos locais, dinamizar e promover a freguesia e atrair visitantes.

Fornos de Calcário

Pedreiras e Fornos da Cal de Sobrido, o calcário é uma das rochas mais raras da morfologia geológica do Norte de Portugal, a presença desta rocha nesta freguesia levou a sua exploração que nesta vertente do Marão parece remontar a séculos antiquíssimos. O valor patrimonial acrescenta a vertente paisagística de montanha, existem ainda outros locais espelhados pela freguesia com vestígios de fornos.

Floreiras de Pedra

Floreiras de Pedra, uma das mais flagrantes características da arquitetura tradicional de Canadelo e a presença das Floreiras de Pedra junto das janelas de muitas das casas antigas desde as mais rusticas e rudes as mais trabalhadas, com variados motivos presentes na sua decoração.

Fonte Velha

Fonte Velha, de cantaria de pedra, contruída em arco romano e coroada de uma cruz cercada de dois florões, conta com três datas distintas sendo a mais antiga cerca de 1770 no corpo da fonte uma sob a cruz de 1888 e uma terceira indicando alguma intervenção municipal de 1933.

Alminhas

Alminhas são ainda vários os nichos e alminhas edificados, além das cruzes da Via Sacra ainda que algumas destas já tenhas sido destruídas visto consistirem na grande maioria dos casos em simples cruzes entalhadas na pedra.

Algumas imagens de Ôlo e Canadelo

Disfrute do ambiente e paisagens proporcionada pela natureza instalada nas freguesias de Ôlo e Canadelo.